Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zibaldone

Zibaldone

13
Jun16

Almaraz

Francisco Freima

A manif de sábado foi fixe. Os portugueses compareceram em grande número, dando um exemplo de luta contra a energia nuclear. Os espanhóis ficaram surpreendidos com a nossa capacidade de mobilização, sobretudo dos partidos. Estiveram em Cáceres o BE, o PEV, o PAN e o MPT, além de outras organizações, como a Quercus ou a Olho Vivo. Do lado espanhol, a Greenpeace compareceu em força, tal como o Podemos, além dos anarco-sindicalistas da CNT e dos ecologistas do MIA. Foi um momento alto de confraternização entre portugueses e espanhóis, a repetir futuramente. 

 

A central nuclear de Almaraz é uma bomba-relógio à nossa porta. As razões estão todas num texto da plataforma Fechar Almaraz, pelo que nem vale a pena explicar o que aí se encontra tão bem fundamentado. No meio disto tudo, achei piada à forma como a direita queixou-se da incoerência da esquerda. Supostamente, aquando do desastre de Chernobyl, os apaniguados da URSS andaram a negar o acidente nuclear. Esta é a típica desculpa de quem não tem argumentos: falando por mim, na altura nem era nascido; depois, o BE não existia, mas, que eu saiba, os partidos que deram origem ao Bloco (UDP, PSR e Política XXI) eram críticos do socialismo real. Por isso, malta da direita, não ponham todos no mesmo saco. Eu sei que gostam de alucinar e dizer que o BE apoia a Venezuela ou o actual Syriza, mas isso são devaneios. Nós pensamos pela nossa cabeça, quando vemos o Tsipras a descambar, é óbvio que não nos revemos mais no seu partido (no qual existem cisões devido à política seguida). A direita considera que isto é incoerência, mas eu pergunto: se alguém renega as políticas que defende em troca de uma mão cheia de nada, somos nós que temos de aceitar e mudarmos também? Não! Cada um faz o seu caminho. Isso é tão absurdo como dizer que o PCP apoiava a deriva dos partidos comunistas ocidentais – o chamado eurocomunismo.

 

Voltando ao tema, na manif existiam inúmeros cartazes/faixas a dizerem «Chernobyl e Fukushima Nunca Mais», logo, quem diz que a esquerda branqueia o sucedido na central nuclear soviética só pode ter má-fé. Claro, o outro argumento é o clássico «há coisas mais importantes»... deve ser o Europeu de futebol, porque a agenda da direita, exceptuando a «Maria da Fonte» a favor dos contratos de associação, prima pelo vazio total.

manif Cáceres.jpg

7 comentários

Comentar post

Antiguidades

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Bloguista

foto do autor