Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Zibaldone

Zibaldone

30
Mai17

Mais Rosas no relvado

Francisco Freima

Miguel Rosa 7.jpg

Houvessem mais Rosas no relvado do Restelo e a história seria outra. Como é que a SAD do Belenenses está disposta a abrir mão do seu melhor jogador? Será tamanho o ódio de Rui Pedro Soares aos sócios do clube que justifique a saída do Miguel Rosa? Ao princípio ainda referiram Domingos Paciência, mas pelos vistos foi mesmo a SAD a entrar em campo para expulsar o seu jogador mais valioso. Porque, muito antes de ser um «activo», Miguel Rosa é um jogador de futebol com amor à camisola. 

 

Bem sei que vivemos num mundo que valoriza as juras de amor via Facebook em detrimento daqueles que agem sob a égide de tão poderoso sentimento. O Miguel sofre do mesmo mal: não é um jogador espalhafatoso, não se vitimiza quando as coisas correm mal e mostra dentro do campo o carinho que nutre pela Cruz de Cristo. Pelos vistos, é pouco: começou então a procura de um substituto à altura. Só tenho isto a dizer à SAD: boa sorte nessa empresa. Substituto à altura? Para um jogador como o Miguel?? Nem que andem, já não digo com uma candeia, mas com os holofotes do estádio à procura desse «substituto», jamais o encontrarão. Conheço poucos jogadores que forcem a saída de um dos três grandes para irem para um clube da dimensão do Belenenses. Na verdade, só conheço o Miguel Rosa.

 

Depois de empréstimos ao Estoril e ao Carregado, o Benfica enviou o Miguel para o Belenenses. Nos dois primeiros anos que esteve no Restelo alcançou o raro estatuto de ídolo entre os adeptos, cada vez mais habituados a verem o corropio de entradas e saídas no final das épocas desportivas. As temporadas correram muito bem, a ponto de o Benfica o chamar de volta. Sem espaço no plantel do Cérebro, ficou um ano na equipa B a marcar golos e a fazer assistências, mas sem nunca esquecer o amor que lhe arrebatara pela última vez o coração. O Miguel era benfiquista, mas tornou-se belenense. A Luz já não lhe dizia nada, o Restelo era a sua casa. No final desse ano com a equipa B, conseguiu regressar ao Belenenses, onde se tem mantido até hoje. Pois é a este jogador, expoente máximo da mística, que apontam agora a porta de saída. Só encontro paralelo com a situação vivida por João Pinto no Benfica, quando Vale e Azevedo decidiu, num acto de gestão danosa, despedir o melhor jogador da equipa. 

 

O Miguel Rosa é um jogador à antiga. Joga bem, não tem tiques de vedeta e sacrifica-se pelo colectivo. Sacrifica-se ao ponto de jogar diminuído fisicamente ou fora da sua posição preferida. Outro viria logo para os jornais carpir as suas mágoas, que o estavam a desvalorizar, que ele é que devia ser o dono do lugar, que o treinador isto, que o departamento médico aquilo... Quantos e quantos cepos têm passado naquele meio-campo com o Miguel encostado na ala?! Maior injustiça, só a de Tiago Silva, desterrado em Santa Maria da Feira...

 

O Miguel Rosa sente-se desiludido e magoado, eu sinto-me furioso! Porque é que os dirigentes têm de destruir sempre as coisas boas do futebol? Estou como o António Barradas: não é assim que o amor se paga.

6 comentários

Comentar post

Antiguidades

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Bloguista

foto do autor